sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Aniversário

Bom dia minha gente,


Nem acredito que falarei do aniversario mesmo antes de acabar o mês! Olha, que nem estou com tanto atraso assim hein? Juro que me esforço.

Então, esse sexto aniversário foi uma surpresa para todos nós. Eu já havia decidido que não faríamos nada de festa pois estávamos num país novo, não teríamos feito amizade ainda, as crianças estariam de férias escolares, enfim, não teríamos coro.

Acertei com eles que iríamos a Paris no dia 5, dia do aniversario e que cairia num sábado e iriamos para a Eurodisney. Isso substituiria qualquer festa. No entanto eles insistiam em perguntar o tema da festa e talz e eu sempre lembrava: lembra que negociamos a festa? Que a comemoração será em forma de viagem? 

No bem da verdade nem eu mesma estava convencida com essa historia. Normalmente eu esperava ansiosa os 365 dias para a chegada da próxima festa de aniversario e fazíamos sempre festa para 150 pessoas, a família toda reunida, os baianos iam pro Rio, ou os cariocas para a Bahia, enfim: Festa!

Chegando próximo da data comecei a pensar em fazer algo em casa mesmo para receber meia duzia de pessoas... Afinal já temos uns amigos por aqui, Pedi a nossa amiga brasileira para fazer umas coxinhas e kibes para fazermos algo. No esporte as crianças se aproximaram especialmente de dois amigos em especial e eu por sua vez da mãe deles, dai eu já pensei: já temos algumas crianças, já temos mais que meia duzia de pessoas, a avó estará aqui... Fiquei "me coçando" procurando algo pra fazer.

No final reservei um espaço num restaurante na praia para 20 pessoas, comprei uma torta, fiz uns brigadeiros, encomendei as coxinhas e kibes e além disso consumiríamos no restaurante. Escolhi ali pois tinha parque para as crianças e os adultos teriam um momento em um lugar agradável para bater papo. Combinei na sexta feira antes da viagem a Paris e todos os convidados felizmente compareceram.

Umas 18h estávamos todos lá e terminou por volta das 22:30. Acho que foi bom. Tivemos de fato uma noite especial, cercado de pessoas especiais, com uma conversa descontraída e as crianças nem preciso dizer que amaram né? Amigos, parque, bolo, brigadeiro e presentes? Isso sim é festa! kkk

Por hoje é só. Semana que vem: EURODISNEY!!!

Fiquem com fotinhas.















segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Volta às aulas

Bom dia minha gente,
 
Já estou no volta às aulas e nem falei das férias né? As vezes eu me enrolo por aqui e não consigo atualizar o blog tanto quanto eu queria. Mas vou escrever aqui sobre nossa última viagem de férias que foi também uma forma de comemorarmos o aniversário do trio! Meu Deus, nem do aniversário eu falei!!! Afffff não, essa não passará batido. Postarei sobre o aniversário e depois sobre a nossa maravilhosa viagem à Paris e essas crianças surtadas na EuroDisney. rsrs
 
O que vou falar hoje também é importante e tá fresquinho na minha cabeça, quero contar logo! ;-)
 
Então que após contados 74 dias de férias, hoje foi o retorno às aulas e eu como eu contei aqui, ano novo, tudo novo. Eles passaram para o primeiro ano, mudou a unidade da escola, mudaram os colegas, professoras, enfim, tem aquela ambientação de novo, mas agora com um empecilho a menos: o idioma já dominam.
 
Na escola materna, onde eles estavam, era bem flexível, Podia chegar de 8 às 9, sendo que 9 fechavam os portões, era uma unidade menor e acabamos que nós entravamos na escola, falávamos com todos e a qualquer hora seriamos atendidos. Na escola elementar eu não sabia de nada. Em nenhum momento me disseram NADA!
 
Tudo que recebi foi um email confirmando a inscrição na escola e dizia qual escola era. Guardei o nome e pronto. Fui na secretaria umas 3 vezes durante as férias para mais informações, mas eles falaram que um dia ia sair a lista com a relação das turmas e que eu deveria esperar. Eu não gosto de surpresas. Por mim, me planejo sempre com antecedência. Eu perguntava: mas eu não sei o que tenho que comprar, preciso de uma lista de material... Depois de muito insistir, eles me disseram que os livros eu deveria solicitar em qualquer livraria pois pra série deles, são todos iguais e eles fazem sob encomenda. Fui na livraria e solicitei. Anotaram meus dados e mandaram eu aguardar o chamado. Já o primeiro dia de aula e nada! Imagina que para uma pessoa ansiosa isso é uma tragédia né?
 
Tá bom, fiquei de passar lá assim que os levassem na escola para ter notícias. Acordei cedo e falei: estarei às 8 na escola, se for 8:30 já estarei lá de qualquer forma. Quero chegar cedo pra ter acesso à professora e perguntar tudo a ela. Se eles lancham na escola, se eu devo mandar o lanche, qual hora devem chegar e sair da escola, se tem algum material além dos livros, que devo comprar, enfim, duvidas normais mas que eu não queria ficar sem saber.
 
Ah, no dia que disseram que sairia a relação da turma, eu fui e vi: tinha apenas o nome da escola, a seção e o nome deles no meio de outros nomes que seriam o dos colegas. Eu, preventivamente, fui por conta própria descobrir onde era aquela escola que foi atribuída a eles. Descobri e fiquei mais tranquila. Mas... Aguardem até o final do post...
 
Comecei já pegando um mega engarrafamento no caminho da escola. Não consegui estacionar. Parei o carro no meio da rua como tantos outros. Desci do carro e tive a impressão de estar no Maracanã pra assistir a um Vasco x Flamengo. Fiquei assustada. Os portões ainda fechados.
 
8:30 os portões abriram e as crianças começaram a entrar. Sem os pais. E eu? Como assim gente? É o primeiro ano deles, eles não conhecem a escola, nem os colegas, nem os professores, como vão achar a turma certa? Aí perguntei e senhora da escola disse que o primeiro ano seria 9h. Fui dar uma volta e voltei 8:40. Estacionamento vazio, fiquei mais tranquila e me restou esperar.
 
Enquanto isso Natália começou a se queixar de dor de barriga, o que normalmente por aqui significa vontade de ir no banheiro... Falei que daqui a pouco entraríamos. Daí ela vomitou. Decidi que ela ficaria comigo em casa, mas de qualquer forma, tínhamos que deixar os irmãos. Daí puseram uma caixa de som do lado de fora e foram chamando os alunos ´calouros´ um por um no microfone, todos aplaudiam, alguns choravam e não queriam entrar, alguns pais também choravam e todos tiravam fotos... Eu estaria curtindo tudo isso se não estivesse com uma criança vomitando no meu pé enquanto a torcida do Vasco x Flamengo assistiam a uma cobrança de pênalti! Tinha muita gente e todos tumultuados.
 
Eu já estava suando frio, porque já imaginava eles chamando o Rodrigo no microfone, ele surtando e saindo correndo (porque ele não é dado a holofotes) e eu acudindo a outra passando mal e eu suja e fedida... Que situação. E essa não foi a pior parte!
 
Chamaram uma cacetada de aluno da turma A... Depois uma cacetada da turma B... e acabaram e eu me dei conta que só sobramos nós... Eu sabia que a nossa era E, mas não sabia que não iam chamar. Como poderia saber? Uma confusão dos pecados? Daí a mulher perguntou de onde eles eram e eu falei: deveria ser aqui, mas eles são da turma do integral... Ela pediu desculpas mas disse que o integral não era ali, se não haviam me avisado. Eu disse que não, mas também não importava mais, queria ir para o lugar certo e sair dali o quanto antes! Mas já eram 9:40!!! :-(
 
Voltei pro carro e segui caminho, sorte que era pertinho. Cheguei atrasada, não sei como foi a recepção por lá, mas no final consegui o que queria, me deixaram entrar (afinal só tinha eu), falei com a professora, me apresentei, tirei algumas das dúvidas e descobri que esse inicio não serão integrais como deveriam. Ficam ate 13:15 somente e pra compensar na carga horaria teriam aulas aos sábados. kkkkkk Ô gente, diante de tudo que passei, só pude rir! Que bom que é só até outubro.
 
Eu gostei mais da unidade da escola nova. É menor, mais perto de casa, mais simpática e melhor de estacionar. Por sorte a livraria onde encomendei os livros era do lado. Passei lá e haviam chegado. E quantos! Que isso gente? Uns dez livros didáticos para cada um? Oxi... não me lembro disso na minha época não.
 
Melhor parte: De grátis! Por conta da Comuna (como se fosse a prefeitura). Eles me dão uma espécie de boleto que eu levo pra escola, eles assinam, eu devolvo e a comuna ressarce a livraria. Eu só pago se eu perder os livros.
 
13h voltei pra busca los. Que pena que não levei o celular! Vocês não fazem ideia da confusão. Não dá pra explicar! kkkk Os pais não entram, eles que saem no jardim da escola e os pais vao tomando a frente do portão conforme fosse vendo seu filho, mas no meio da multidão, isso era bem difícil. Saí de lá 13:40 pra vocês terem noção. Dessa vez me diverti.
 
Natália já está bem, amanhã deve ir normalmente. E eu aproveito pra perguntar mais um pouquinho, porque eu sou dessas! Um beijo a todos e até a próxima novidade! 

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Perdemos o primeiro dentinho

Boa noite minha gente,
 
Então que temos novidades por aqui! Eu que já estava sofrendo por antecipação pois várias amigas já estavam postando os dentinhos dos seus caindo, estava aqui caindo na real que daqui a pouco seria minha vez. Mas até então não tivemos nenhum sinal. Até que a Luisa ontem me falou que o dente estava mole. Eu fui olhar e estava MUITO mole! Fiquei a pensar como seria possível e também não acreditava que chegaríamos no dia seguinte com aquele dente ali. Contei pro pai que estava viajando e ele: relaxe, você só viu hoje, não vai cair hoje. Fim de semana estou aí.
 
Por outro lado ela estava eufórica com a situação e queria porque queria tirar o dente. Me pediu uma maçã e eu dei. Dentro de mim estava bem nervosa com a maçã pois nunca gostei dessa técnica, penso que isso dói pois faz pressão do dente na gengiva, mas enfim, ela pediu, vamos tentar.
 
Ao experimentar ela mesmo não gostou e acabou deixando a maçã de lado. Eu me ofereci pra puxar, uma vez que vi que ela não largava aquele dente e não iria dormir enquanto ele não caísse! (eu sou bem assim. rsrs). Puxei devagar mas o dente quase solto, se soltou ainda mais e ela não gostou da sensação. Deu medo. (em mim também)
 
Falei pra ela que não precisava cair no mesmo dia e que ela esquecesse, que ele cairia sozinho, mas dei um lencinho e falei que ela poderia ficar empurrando pra frente e pra trás com ele e ajudaria. Não precisou empurrar muito e ela nos surpreende: eu consegui! saiu!
 
Gente, nas minhas recordações não era tão simples assim não!!! Que bom né? Mas acho que Papai do Céu pensou que eu já teria três bocas trocando dentes ao mesmo tempo e resolver pegar leve comigo. Conosco. Ufa!!!
 
Mas como se não bastasse, a tia Érika falou pra botar o dente embaixo do travesseiro que a fada do dente viria! Ahhhh, eu não tinha pensado nisso! Também quem diria que ia amolecer e cair no mesmo dia! A tia falou que a fada coloca uma moeda de dinheiro mesmo e a Luisa falou que viu no desenho da Peppa que a Peppa havia ganhado uma moeda de chocolate! Me falaram também de presentinho. Eram 21:30 da noite e eu não tinha nem moeda de uma nem de outra e nem presentinho nenhum. Ela dormiu quase abraçada com o dente! Colocou embaixo do travesseiro enquanto eu fui futucar minha carteira pra ver o que saía de lá!
 
Resolvido, achei 5 euros e foi isso mesmo. Quantos dentes caem mesmo? três filhos... falência! kkkkk Fiz a troca no meio da noite e de manhã a primeira coisa que ela fez foi procurar! Não imaginam a alegria. Me pediu pra sair para fazer compras. Pode? De tardinha saímos e ela comprou um brinquedinho que 5 euros pudesse pagar... Morri de pena, pois as opções eram poucas, mas é assim mesmo né? Enquanto isso os outros estão aqui rezando para os seus caírem logo também. Estamos todos contentes.
 
Aproveitando o assunto: essa semana mesmo, uma mãe de coleguinhas, no grupo de whatsapp me falou de uma caixinha pra guardar os dentinhos. Parece uma caixa daqueles aparelhos ortodônticos, com espacinhos internos no formato dos dentes para guardar os dentinhos num lugar lindinho. Tem três cores, encomendei um de cada mas não sei quando vai chegar aqui... Comprei no Brasil e vão entregar na casa da minha sogra. Aí só me resta esperar. Mas pra quem não viu ainda, faz uma busca na internet pra ver que legal a ideia. Quando o meu chegar, mando fotos.
 
Beijos e até a próxima!
 

 

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Cinéfilos

Bom dia minha gente,
Hoje venho falar de algo que amamos fazer. Ir ao cinema. Eu, antes das crianças nascerem, ia sempre, todo fim de semana com certeza e quando tinham vários para ver, ia mesmo sexta, sábado e domingo seguidos. Assistia a todos os gêneros, dependia do humor do dia. Mas eu vejo de tudo e amo. E incluí as crianças no mesmo ritmo.
Não sei se vocês conhecem e até já mencionei aqui quando eles eram pequenos, da coisa mais legal que inventaram, que foi o cinematerna e lógico que eu fui. Algumas vezes. Resumo: Uma sessão de cinema exclusiva para mamães com seus respectivos bebês, ainda com meses ide idade. Nessa sessão você terá a certeza de que não irá incomodar ninguém se seu filho chorar, os maiorzinhos, podem brincar no chão, pois cuidam de colocar um tatame no chão e têm alguns brinquedos e ainda disponibilizam um trocador para que as mommys possam trocar o baby sem perder o filme. E ainda serve para àquelas mamães que além de assistirem ao filme, desejam socializar, sair de casa, conhecer outras mães, enfim, muito maneiro. Maiores informações vocês podem achar no site: www.cinematerna.org.br.
Além de ter ido a algumas sessões do cinematerna, tratei de acostumar meus filhos cedo com o hábito de ir ao cinema. Com pouco mais de 2 anos, fomos almoçar em restaurante de shopping e ao sair do almoço, passamos em frente ao cinema, tinha um cartaz enorme de filme infantil e iria começar uma sessão dali a pouco, daquelas cedinho, que costumam ser mais vazias. Olhei pro meu marido, ele fez cara de: tô contigo e eu não pensei duas vezes: fomos!!! Pra “piorar” era 3D, e convencer a eles a usar o óculos, seria a parte mais difícil além de que o óculos engolia eles!!!
Mas por nossa sorte, o filme LORAX na época, tinha uma história interessante, músicas e muita cor! Eles ficaram vidrados assistindo a tudo e não abriram a boca por nenhum segundo. Nem pra reclamar, nem pra comer, nem pra ir ao banheiro. Enfim, deu certo.
A partir daí não perdemos mais nenhum filme infantil! Se possível íamos mesmo no dia da pré-estréia! Kkkkkk E nunca se comportaram mal. Passaram a querer lanches sim associado ao cinema, afinal ninguém é de ferro e vendo todos fazendo, até nós ficamos com vontade, com as crianças não seria diferente! Hoje, mais organizada como sou, levo lanchinho de casa, economiza-se horrores e não só por isso, nos permite escolher algo mais saudável e nutritivo ou até mesmo que interesse mais às crianças.
E então que assistimos tudo que tínhamos pra assistir desde então e as crianças chegaram num nível hard: Estão assistindo mesmo os não tão infantis assim. Tudo começou com o último dia dos namorados, nosso primeiro na Itália, portanto não sabíamos o que fazer, pois não temos com quem deixá-los aqui. Pensei em comemorar em família no cinema mas não tava passando nada para eles. E Roberto nos chamou pra ver Jurassic World. Vi e revi o trailer inúmeras vezes pra decidir se seria ou não “assistível” por eles. Fomos no shopping, chegando na bilheteria mandei Roberto se informar se eles poderiam ir. Disseram que sim. Na nossa frente estava comprando para o mesmo filme um casal e dois filhos ainda menores... decidi arriscar. Eles adoraram. Rodrigo então, que já gostava de dinossauro, agora então, só fala nisso. Bem coisa de menino mesmo.
Um dia desses, resolvi assistir todos os filmes do Star Wars em casa para poder assistir o que estreará no cinema no fim do ano. Ainda comentei de colocar para as crianças outro filme no outro quarto para que eles não vissem, mas eles estão tão entretidos cada um com seu jogo, que os deixei brincando. O filme estava em inglês com legenda em português, seria mais um fator que faria com que o filme não chamasse atenção deles. Quem disse¿ Em pouco tempo eles já haviam largado tudo que faziam e já haviam se juntado à nós numa grande sessão de cinema em casa. Amaram, nos encheram de perguntas ao final e já queriam assistir o seguinte em seguida. O Star Wars eu até achei light pra eles, embora tenha achado que a história fosse pouco interessante para eles, mas gosto é gosto e eles gostaram. O teor de violência que têm é exposto de forma sutil com guerras entre robôs e não chega a ser nada reprimível. Em um curto espaço de tempo assistimos o 2, 3 e 4. E eles nos cobram quase todo o dia para vermos o 5 e o 6. Rsrs
Isso aguçou a curiosidade dos mesmos, que pediram pra ver Harry Potter. Como eu já vi todos, fiquei pensando, dá pra ver o 1, 2 e o 3. Vamos ver, se esboçarem medo, paro. Coloquei, assisti junto com eles, atenta a cada reação. A paixão foi tanta, que assistimos os 8 filmes da saga quase que dia após dia. Eles agora querem mais mas não tem!!! Kkkk
Agora estreou por aqui PAC MAN, pretendo ir assim que voltar pra casa (estamos viajando) e estou na contagem regressiva para vermos os MINIONS, que para o meu azar, só estreará aqui na Itália em agosto!
Bom gente, objetivo do post (além de falar dessa nova paixão dos meus lindinhos):
1)mencionar a existência do cinematerma;
2)falar às mamães que é possível ir ao cinema com pequenos, principalmente se apresentarmos a eles cedo e seguindo um ritual de ir ao banheiro antes do filme, levar um lanchinho pra na hora que eles virem alguém lanchando ou até mesmo na hora que eles começararem a ficar entediados. Eles beliscam e logo o filme retoma a ação e fica interessante.
3)a censura cabe a nós, mães. Algumas concordarão comigo e outras não sobre a maturidade para ver cada coisa, mas isso aí variará de acordo com a educação de cada um tem e temos que respeitar a decisão da mãe. Tem tanta criança que vê novela das “8” da globo, tenho certeza que nenhum filme que eles viram foi pior. E aí, realmente fica a critério do responsável decidir.
4)cinema é cultura e é diversão garantida para toda a família.

Boas férias e muitos filmes à todos!!!

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Camping Esportivo

Bom dia minha gente,
 
As férias do meu povo aqui vai de vento em popa. Estamos vivos e acho que nos divertindo muito, mas de qualquer forma, a atenção que posso dar a eles durante o dia, não é exatamente o que eles querem ou precisam. De manhã tenho arrumando a casa e feito comida enquanto eles brincam e nem posso dizer que sozinhos, essa é a vantagem de ter irmãos. Aí sirvo almoço e eles voltam a brincar enquanto eu recolho tudo, guardo, lavo os pratos e aí já invadi a tarde. Subo dou banho em 3 e quase acabou o dia.
 
Com pena deles por terem ficado em casa o dia inteiro, tenho levado eles no fim do dia para diversos shoppings, para participar das programações de férias que os mesmo oferecem e encerramos o dia com um lanchinho. Todos os dias eles têm falado que aquele dia foi o melhor. Rsrs, sinal que estou agradando com minha programação improvisada.
 
Mas uma mãe que conheci uma vez no shopping, justamente em um desses parquinhos, me indicou uma colônia de férias que seus filhos estão indo e tem uma proposta diferente. Essa não vai ao mar, trata-se de um camping esportivo e nem é necessário ir o mês todo. Se paga por semana, por criança e a gente pode escolher se vai toda semana ou não.
 
Pode começar as 8h, pra quem quiser, no meu caso os meus estão indo às 9h e têm atividades esportivas até 13h, de hora em hora. Basquete, vôlei, tênis, futebol e por aí vai. São crianças da mesma faixa etária, com um professor. Achei a proposta menos perigosa que ir à praia e mais interessante e saudável.
 
Levei eles para fazer um dia de experiência e decidirem se queriam ir ou não. Pois bem, foram e não queriam mais voltar. Nunca vi tamanha empolgação. No dia seguinte já não foram pois tínhamos viagem marcada e não conseguiram esconder a decepção. Passaram a viagem toda falando que queriam voltar para o esporte e hoje, os deixei em casa para descansar, pois chegamos 3 da madrugada, achei puxado leva-los para exercitar-se às 9h! E acordaram me enchendo o saco dizendo que não estavam nem um pouco cansados. Mais uma vez sinal de que gostaram né?
 
E no final ainda ganhei umas horinhas extras. Chorei desconto para 3 irmãos e me concederam horas extras ao invés de desconto. Eles ficarão até as 15h Sendo que esportes vai até 13h, depois disso almoçarão e terão uma horinha livre que poderão fazer jogos livres ou brincar de lego e tal que eles dispõem lá e ou ainda mesmo apenas correr por toda a área verde que possuem. Ou seja, será mais ou menos o equivalente ao tempo que passavam na escola.
 
Pra mim será uma mão na roda, aproveitarei o tempo para arrumar a casa, fazer compras, continuar abrindo caixas da mudança e colocando no devido lugar, estudar para o teste teórico pra tirar a habilitação italiana e qualquer outra coisa que surja.
 
No momento planejo leva-los uma semana sim e outra não. Me despeço por ora e prometo colocar fotinhas no próximo post. beijos

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Despedidas

Bom dia amigos,
 
Como alguns sabem, eu estava com minha prima aqui em casa há 2 meses e infelizmente acabou-se o que era doce e chegou o dia dela ir embora. Já tem quase uma semana e eu não me acostumei com a sua ausência ainda. Mas o motivo do post não é só falar da ida da prima, mas uma constatação que fiz a partir disso.
 
Então, eu já percebia um pouco isso mas agora confirmei: meus filhos são, como posso explicar isso em palavras? Posso dizer desapegados, talvez. Não que não se apeguem, mas se apegam com a mesma facilidade com que se desapegam. Fiquei pensando com meus botões se essa seria uma característica da nova geração ou se seriam mesmo deles, que foram habituados com despedidas.
 
E também nesses meus pensamentos que vão longe, ao mesmo tempo em que acho muito estranho, acho também bom, menos sofrido para eles, que moram longe e mesmo sem querer, têm que lidar com isso. Eu, ao contrário, sou apegada aos meus parentes e muito emotiva sofro mesmo. A sorte é que sou bastante equilibrada e racional ao mesmo tempo e logo volto à razão, lembro porque estou aqui e me convenço de que é uma oportunidade única que estamos vivendo e o destino pertence a Deus e aí fico feliz de novo. Rsrs Porque é verdade gente, muita gente não entende como e também se incomoda com isso, mas eu sou essencialmente feliz. Prefiro catar as coisas boas e vivê-las do que gastar meu precioso tempo remoendo um problema. Acho que se for genético, transmiti isso para as crianças e se for comportamental, aí sim terei a certeza que se não ensinei ainda, ensinarei.
 
Bom, como alguns sabem, o trio nasceu na Bahia e desde bebezinhos, tiveram os avós paternos presentes uma vês por mês conosco, pois a mesma morava no Rio e vinha todo mês para nossa casa e passava 1 semana, 10 dias e em seguida, ia embora. A super tia que também era do Rio, veio e passou uma temporada de 8 meses pra dar um suporte e depois nos deixou mas deu continuidade às visitas vindo sempre com a avó.
 
Quando eles tinham 1 ano e 6 meses, nos mudamos para o Rio e aí, aqueles avós maternos que estavam sempre tão pertinho, se afastaram. O avô ia sempre para o Rio e quase de 2 em 2 meses estava lá. A avó materna, que trabalhava, só ia 2 vezes ao ano. E era assim com as tias, primos, bisavô, padrinhos...
 
Estávamos sempre recebendo visitas de fora, que vinham só por eles e devo reconhecer e agradecer todo o esforço que faziam! No segundo aniversário deles no Rio de Janeiro, recebi 19 baianos na minha casa e mais um padrinho e sua esposa vindos do Recife, que ficaram em hotel. Nossa rotina era bem assim, só pra ilustrar o tema.
 
A primeira grande despedida que eu temia que fosse dramática para eles foi a das minhas ajudantes, que viram eles nascer, cuidaram deles comigo, foram para o Rio comigo até que eu conseguisse colocar a casa em ordem e aí, acabaram morando na minha casa e junto com eles 4 meses e eles eram apaixonados por elas. Pois bem, eles iam fazer 2 anos quando elas finalmente voltaram para Salvador. Nós adultos choramos horrores, eu e a Ana, que era bem mais apegada a eles e até o pai sentiu a despedida. Eles olhavam o chororô como se nada entendessem e no dia seguinte perguntaram onde estavam elas e eu disse que voltaram pra casa e eles concordaram com um tá bom, simples assim.
 
Depois disso outras tantas despedidas vieram e a reação deles era sempre a mesma. Com 1 ano e 10 meses entraram pela primeira vez na creche. Lá ficaram por 1 ano e meio e aos 3 anos e meio mudei eles de escola. Fiquei com receio de estranharem o ambiente, os colegas e os professores, mas foram tão bem recebidos na escola nova que mais uma vez, não sofreram.
 
Daí aos 5 anos, fizeram parte de uma separação para um lugar mais distante e eu já falei aqui como tudo aconteceu e que se adaptaram bem como sempre, se eu falar de novo aqui, deixará de ser despedidas. Rsrs E mesmo aqui, longe, começamos a nossa rotina de visitas. Em apenas 6 meses já recebemos os avós paternos, a tia Di, o avô materno e uma prima da mamãe. Ou seja, eles não tem noção da distância, do custo e do sacrifício, pra eles as pessoas continuam vindo e indo. E aí, finalmente veio a tal da despedida que me fez refletir e gerar esse post. A prima se foi. Mais uma entre tantas despedidas que tiveram e que terão. Eles encaram assim... Que bom né?
 
E dentro em breve os avós paternos e a tia Di já estão de volta, em seguida virá a vovó materna e seu marido e em seguida, iremos nós ao Brasil visitar todos e ainda aqueles que não conseguiram vir nos ver. Assim não estão deixando nem eles sentirem saudade né?
 
Já que essa foi a vida que eu e meu marido escolhemos para a gente e são o que as crianças têm pra hoje, que ela seja vivida em sua plenitude com o mínimo de sacrifício por parte deles. E assim seguimos vivendo, de leve, de boa e amadurecendo para  os próximos desafios!

domingo, 28 de junho de 2015

Encerramento Escolar parte II

Bom dia minha gente!!!
 
No último post falei do encerramento da escola do trio, formatura e modelo escolar aqui da Europa. Hoje posso falar um pouco mais dos detalhes, pois agora tenho mais informações. Esses últimos dias foram de eventos escolásticos por aqui. Nós tivemos uma reunião de pais e mestres na escola, onde eles expuseram o trabalho feito durante o ano e explicaram o passo a passo.
 
Depois teve um festival cujo tema foi o Pinóquio, fábula trabalhada exaustivamente por eles ao longo do ano, a festa de encerramento e agora, recebi o material didático usado por eles ao longo do ano e inclusive uma plantinha que eles mesmos plantaram e cultivaram com a chegada da primavera e que agora trouxeram para casa para darmos prosseguimento. Rsrs
 
Fiquei muito satisfeita com o que recebi. Como eu disse, eu tinha a impressão de o conteúdo aqui ser um pouco mais fraco que no Brasil. Agora não posso afirmar. Talvez não trabalhem exaustivamente como nós com as atividades de repetição e com trabalhos para casa, mas recebi o material deles e pude estudar com calma o conteúdo e é bem interessante.
 
A diferença é que no Brasil eu pagava uma taxa de mais de mil reais por criança referente ao material didático utilizado na escola deles, que eram módulos. No fim do ano eu recebia os módulos de volta e de fato eram vários e eles exploravam a ciência, matemática, língua portuguesa e inglesa.
 
Aqui não tem livro de inglês, embora tenham aulas de inglês. O material didático que precisou ser comprado foi um único livro, que me custou 10 euros. rsrs Mas ao receber todo o material deles, percebi que eles tinham a mesma abordagem, da ciência, matemática e línguas, mas com atividades feitas em classe que não necessariamente utilizavam o livro.
 
O livro que custou 10 euros é grande e multiabrangente. Bonito e atraente para as crianças. Além de tudo isso, eles têm aulas de educação religiosa e tiveram atividades que envolviam experiências praticas como cozinhar e plantar e cultivar suas próprias plantinhas.
 
Gente, eu não conseguirei agradecer o suficiente a atenção reservada por eles aos meus filhos. Eu sinceramente esse ano achei que seria apenas para aprendizado do idioma e o que viesse extra seria lucro. Mas eles conseguiram aprender o idioma e ainda realizaram o conteúdo programático proposto com bastante Êxito. Eu comprei uma lembrancinha para cada uma das 6 professoras que eles tiveram em gratidão e ainda assim será pouco, levando em consideração que se trata de uma escola pública aqui.
 
Eu com certeza vou sentir falta da família que formamos lá e que infelizmente durou pouquíssimo. As crianças então, nem se fala. Agora nos resta curtir as férias e torcer para que a próxima equipe seja tão boa quanto!
 
Seguem fotinhas!!! 
 
Esqueci de mencionar outra coisa que achei o máximo: Junto com o material deles que nos devolveram, nos deram também, de presente (eu não pague nada por isso), um kit de livros para as férias. Vem um livro de atividades, um de adesivos e 1 cd! Além disso um lindo cartão das professoras, para as crianças, com lindos dizeres sobre essa nova etapa que está por vir. Eles são super cuidadosos
 
 
Material Individual Devolvido


 
Livro Didático Usado no ano letivo

 
Kit férias

 
Cartinha da Professora

 
 
 
 
Plantinhas indo pra casa
 
 

terça-feira, 23 de junho de 2015

Formatura

Olá minha gente,

Semana passada foi a festinha de formatura da escola das crianças e antes de falar sobre a festinha em si, devo falar um pouco sobre como funciona o sistema escolar por aqui pois é bem diferente do que temos no Brasil.
 
No Brasil, as crianças estavam fazendo o Pré I com 4 anos, esse ano fariam o Pré II e em 2016 a Alfabetização em si, onde aprenderiam a ler. No Brasil, no Pré I se aprende o alfabeto completo, no Pré II se juntam as sílabas e na alfabetização, como o nome diz, se alfabetiza. (Embora o Rodrigo tenha fugido à regra e já tenha saído do Brasil lendo e escrevendo palavras simples como Batata, pata, bola, sapo e por aí vai).
 
Depois da alfabetização no Brasil nós temos uma cerimônia que simboliza a formatura, a alfabetização. Já aqui, a festinha, até mesmo coloca-se o capello e tal mas não pelo mesmo motivo do Brasil. As crianças não foram alfabetizadas e ainda estão longe disso. Mas houve a formatura simbolizando a transição.

Errata [corrigindo meu erro :-)] -  Fiquei sabendo por amigas que o sistema no Brasil mudou há algum tempo e a formatura também acontece antes de alfabetizar pois a alfabetização passou a ser o primeiro ano do ensino fundamental e a formatura igualmente tem um valor simbólico sobre essa fase de transição, mas ainda há a diferença de conteúdo, que é muito grande, pois o primeiro ano fundamental no Brasil (antiga alfabetização) é com 6 anos e aqui com 7.

E também no Brasil, mesmo no Pré I, com 4 anos, eles tinham trabalhos pra casa 3x na semana. No Maternal II tinham 2x na semana... Aqui mesmo com 5 anos, não fazem trabalho em casa ainda. O conteúdo é bem menor se comparado com o do Brasil, mas precisamos tocar conforme a música e no momento estamos aqui.
 
A escola na Itália se divide assim:
 
A criança entra na escola aos 2 anos até os 5 anos, é onde temos o ensino infantil, chamada de escola materna.  (antes disso existem as creches particulares mas só para as mamães que trabalham e não têm ajuda para os bebês, o que não é comum por aqui).
 
Aos 6 anos as crianças seguem para a Escola Elementar, onde ficam por 5 anos (até os 10 anos de idade).
 
Daí eles seguem para o ensino médio que por sua vez, se divide em 2: O Ensino médio I onde fica-se 3 anos e o Ensino Médio II onde se fica mais 5 anos, até os 18, 19 anos e que é chamado de Ensino Médio Superior. Depois daí então pode se pleitear cursar a Universidade.
 
No entanto ao finalizar cada etapa dessa, eles fazem uma "formatura" para simbolizar o desfecho.
 
Então, calhou de as crianças, meus filhos, entrarem no meio do caminho de uma turma de 5 anos e, após 5 meses de escola, já tiveram a sua primeira formatura.
 
Aqui a alfabetização se dá ainda mais tarde no currículo escolar. É por idade. A professora deles conversou comigo, pois o Rodrigo evoluiu ainda mais nesses 5 meses aqui e já escreve bastante. Sozinho e em italiano. rsrs Ela falou que ele está muito adiantado e que deveríamos frear esse avanço. E me explicou que aqui eles aprendem as letras e tal aos 6 e se alfabetizam aos 7. Eu não superestimulo eles. Não faço nada além em casa do que o que fazem na escola, mas também não acho certo desestimular.  Cada um tem seu tempo e ele é bastante curioso e esperto. Tanto eu como o pai também lemos aos 5 e estamos muito bem assim.
 
Então é isso: como eu falei anteriormente, estamos em ritmo de férias, as aulas acabam semana que vem, semana passada tivemos a tal festinha mencionada, em breve 60 dias em casa e disso tudo fico um pouco triste pois logo agora que eles de fato haviam feito amizades, se desvincularam um pouco dos amigos do Brasil, que a todo tempo eram mencionados em brincadeiras, vão se separar novamente e vão começar tudo de novo em setembro, pois nem todos vão para a mesma escola... :( Mas é assim mesmo, vida que segue, vivendo e aprendendo, socializando sempre e ampliando o circulo de amizades sempre! Fiquem com fotinhas, beijinhos!
 
 



 
 







terça-feira, 16 de junho de 2015

Acquario di Cattolica

Oi pessoal,

Conforme prometido, o post de hoje será sobre nossa visita ao Aquario. As crianças desde pequena vão conosco à zoológicos, pequenos, grandes e de diferentes modalidades. Zoo comum, safari e até mesmo aquário. Com 1 ano fomos no Projeto Tamar na Bahia e lá eles puderam ver tartaruguinhas recém nascidas e tartarugas gigantes de quase 100 anos de idade ao vivo. Na hora estiveram interessadíssimos mas hoje nem lembram que foram. Ainda bem que existem fotos para provar. rsrs

Ainda fomos outras duas vezes no projeto Tamar de Aracaju - SE e embora seja até menor e com menos tartarugas, tem outras espécies de animais marinhos interessantes como arraias enormes, moreias e até mesmo tubarão. Eu gostei bastante. E eles, primeiramente com 3 anos acharam o máximo e na segunda vez, com 4 anos, a Luisa fez escândalo com medo de todas as espécies de animais. Optou por ficar no colo do pai e disse não querer voltar mais alí.

Então, quando eu vi a oportunidade de visitar novamente um aquário, grande e bem estrutrado, não pensei duas vezes.  Estávamos visitando a República de San Marino e eu vi um folder do Acquario di Cattolica, cidade italiana vizinha e decidi então, que no dia seguinte, quando estivéssemos voltando pra casa, passaríamos no Acquario. Falamos antes com a Luisa onde iríamos e como seria. Ela não gostou muito mas foi mesmo assim. Que jeito né? Voto vencido.

O Aquario fica situado na cidade de Cattolica, norte da Itália e para quem for viajar e se interessar segue o site para maiores informações: http://www.acquariodicattolica.it É dito que se trata do maior aquário da região do Adriático, é composto de 4 percursos distintos e tem um custo de ingresso de 19 euros para o adulto e 15 euros por criança. Mas vale a pena. No nosso caso, os pequenos e os grandes gostaram.
 
A Luisa, começou o passeio no colo por medo de sentir medo, mas no decorrer dos percursos, foi se soltando e no final curtiu tudinho. As melhores atrações foram sem dúvidas, os pinguins, que fazem um show à parte para os espectadores e os tubarões. No final tinha uma piscina aberta, para quem quisesse tocar nas arraias enormes. Minha prima que estava conosco no dia, mais corajosa e mais curiosa, experimentou. :)
 
Segue fotinhas.







 


quarta-feira, 10 de junho de 2015

Adaptados e contagem regressiva para as férias!

Bom dia minha gente,
 
E mais uma vez eu sumi um pouquinho não foi? É que o ritmo de passeios e viagens está frenético por aqui, e se é coisa boa, devo estar perdoada né? É que a prima ainda está por aqui e queremos mostrar tudo a ela e aproveitar tudo com ela. As crianças são as que mais curtem essas visitas né? Desse jeito nem parece que moramos longe, pois tem sempre um querido aqui conosco e isso com certeza faz um bem danado a eles.
 
Não vou entrar em detalhes sobre os passeios, pois o blog não é de turismo e acabo mudando o foco. Quando for passeios para crianças, mencionarei sempre pois servirá de dica para as mommys que gostam de viajar e também quando for um passeio de exploração para eles, que tenha sido marcante. Por falar nisso até teve um desses, mas vou falar no próximo post sobre nossa visita ao Acquario di Cattolica.
 
Bom, meu povinho aqui, como era de se esperar, estão mais que adaptados. Falam o italiano com bastante naturalidade, estão enturmados na escola, a ponto de a professora me pedir pra orientar o Rodrigo pois os amiguinhos são muito bagunceiros e ele já estava se misturando demais. rsrs Já têm seus melhores amigos, cada um com o seu. Assim como em tudo, os amigos também são diferentes.
 
Outra coisa que eu achei fantástica na adaptação foi no quesito saúde que não nos pregou surpresas nem mesmo com a mudança climática brusca. Como todos sabem, saímos do calor de 40o para o frio de 2o. Estamos aqui há 4 meses e nadinha. Tiveram um resfriado leve e breve, que nem foi imediatamente ao chegarmos, foi na mudança aqui do inverno para a primavera, no período inclusive que a avó estava aqui e até eu fiquei resfriada. Mas nada que precisasse de grandes intervenções. Resolvemos apenas com xapores fitoterápicos, aqueles de mel com própolis e Vick Vaporube para dormir. Aliás, que trocinho abençoado hein? e eu nem ganho nada para fazer propaganda, trata se de dicas mãe para mãe mesmo. rsrs  Eu vim pra cá preparada para guerra, trouxe uma farmácia particular para emergências mas felizmente não precisei usar nada.
 
Na alimentação eles também surpreenderam e se tornaram amantes do macarrão, como todo bom italiano. O Rodrigo então se deixar, come no almoço, janta e quem sabe no café da manhã. A Luisa no inicio chorava ao ver o prato com todo aquele molho vermelho por cima, mas eu mantinha a linha dizendo que era assim e pronto, ela comia uma colher, lambia o prato e perguntava se podia repetir. É mole? Eu que não tivesse pulso em insistir. Agora ela não chora mais ao ver o prato transbordando molho de tomate, mas come todinho e usa o pedacinho de pão pra limpar o prato no final, gesto clássico dos nativos, mostrando que apreciaram o prato.
 
Agora estamos na contagem regressiva para as férias de verão. Quase 70 dias em casa. No início me assustei pois no Brasil não é tanto e eu, como trabalhava e pagava a escola deles na modalidade integral, parava menos ainda. Eram só 15 dias no fim do ano. Eu não achava ruim pra eles, pois bem ou mal, na escola tem os amigos, tinha atividades esportivas, parques, eles com certeza usufruíam bem mais mas, vou aprender essa nova rotina daqui e com certeza vamos tirar de letra.
 
Pensei em coloca-los numa colônia de férias, mas achei estranho o fato de ser na praia... Sério mesmo gente, só eu acho eles muito pequenos para irem a praia sozinhos? Aqui parece ser muito normal. Para eles não existe férias sem praia. E são várias colônias de férias, mas todas tem o mesmo princípio e todas vão para o mar. Aceitam crianças desde 3 anos portanto terão ainda menores que os meus, mas ainda assim não me senti confortável. Os meus vão pra escola desde 2 anos e sei que se sentiriam bem, mas eu que não ficaria bem. Não foi só isso. Até porque todos me disseram que é assim mesmo, que tem que deixar ir. Inclusive o pai, mas eu aqui pensando com meus botões e desfazendo as caixas da mudança que finalmente chegou, pensei que podemos fazer tanta coisa em casa que não haverá necessidade de manda-los. Coloquei a mesa de plástico deles na nossa varanda e já penso que será o lugar perfeito para massinha de modelar, que já achei na mudança, brincar de tinta pois no jardim não tem problema fazer sujeira...
 
Comprei uma piscina inflável para fazer um clube particular para enfrentar o calor do verão italiano e outras tantas ideias que fará das nossas férias mais divertidas que qualquer colônia de férias e me fará poupar 600 euros (200 por criança). Isso também me ajudou a decidir por ficar com eles em casa. Rsrsrs Até porque vamos combinar? Aqui não estou trabalhando portanto não há uma real necessidade para tira-lo de casa.
 
Então é isso, por ora são as nossas novidades. Em breve faremos mais uma viagem, em seguida a prima vai embora e no dia seguinte começa nossas férias! Aí penso que teremos posts bem divertidos e com fotinhas. ;-)
 
 
 

segunda-feira, 18 de maio de 2015

ZOO

Bom dia amigas,
 
Hoje vim contar do nosso passeio de ontem. Fomos no zoológico da nossa região. Em posts anteriores já mencionei outros passeios a zoológicos com as crianças. Zoológicos diferentes, em lugares diferentes e em momentos diferentes. Por isso resolvi falar do passeio novamente, pois as reações das crianças com o passar do tempo vai ficando igualmente diferente.
 
O primeiro zoológico que fomos foi o do Rio de Janeiro, eles deviam ter 2 anos na época e adoraram! Curiosidade era o ponto forte e animais fascinam as crianças! Só é ruim a caminhada, logo eles cansam e já querem colo nesse período inicial. Daí dica para as mamães: levem carrinhos ou cangurus! E no meu caso, de trigêmeos, num passeio desse, quanto mais gente for junto, melhor. Chamem tias, avós, amigos, quem puder, vai ser sempre útil. rsrs
 
Depois eles tinham 3 anos e fomos no TEIMAKÉN, em Buenos Aires. Ainda despertou o interesse deles, mas como era um tipo de zoológico onde os animais ficam bem distantes, não deu pra testar muito o medo deles. Luisa sempre teve verdadeiro PAVOR de cachorro embora nós tivéssemos 2 e com o passar do tempo passou a ter medo de tudo que tem vida e não é gente. rsrs 
 
Natália também tem medo, mas não fazia o mesmo escândalo que Luisa. Contanto que não encostasse nela, ela poderia coexistir num ambiente junto a um animal, mas com o passar do tempo isso foi deixando de existir e ela ficou tão medrosa quanto a Luisa. O Rodrigo pequeno brincava com nossos cachorros, que eram grandes, não tinha medo, mas depois de 1 ano de idade mais ou menos passou a ter medo também. Com 3 anos eles voltou a se interessar e eu sempre incentivei a união. Levava meus cães pra passear e levava ele junto. Começou ele ficando por perto, daqui a pouco passava a mão nos pêlos dos cães, depois pediu pra segurar a guia e por aí foi até ficar bem intimo. Quando deixamos o Rio ele tinha 5 anos e já estava no ritmo de leva-los pra passear segurando a guia sozinho e dava comida para os dois. Não se importava com as lambidinhas, na verdade até gostava. Eu acho que a interação animal x crianças enriquecedora, faço de tudo pra incentivar.
 
O último zoológico que fomos foi o SAFARI ZOO em São Paulo e eles tinham 4 anos. Lá a gente entrava com o carro e o Rodrigo e a Natália foram no carro da tia, que abriu a janela e alimentou os animais de pertinho. A Luisa ficou comigo, pois eu já previa uma situação periclitante. rsrs Nosso carro fez o percurso todo de vidros fechados e ela gritava cada vez que aparecia um bicho. O macaco inventou de subir no nosso carro e o desespero foi enorme...
 
Aí eu descobri que na região onde moramos agora tem também um zoológico e resolvi experimentar. Quando contei para eles meus planos para o domingo, a própria Luisa comentou: Mas mãe, eu não gosto de zoológico. Você sabe disso. E ficou perguntando como seria, se entraríamos com o carro, se os animais estariam longe e bla bla bla.
 
Não era de carro e os animais ficam bem pertinho da gente. Amei o zoológico! Para os locais, fica a dica: podem ir conhecer o Zoo D´Abruzzo que vale a pena. Não é nenhum mega zoológico a ponto de ser atração turística, não. Quem está a passeio, com o tempo apertado talvez não valha. Apesar de pequeno, tem bastante animal, é organizado, limpo, espaço de pic nic, lazer para crianças, quiosques para lanche e até almoço e no final, pra variar, lojinhas de souvenir. Entrada 13 euros por adulto e 9 euros por crianças. O melhor são os shows que eles fazem ao longo do dia. Tem uma arena onde fazem shows com cavalos e elefantes e um teatro onde fazem shows com crocodilos, o tema é Indiana Jones. Show de bola. Deixei as informações para os interessados.
 
Agora vamos ao que nos interessa: Como reagiram os 3: O Rodrigo pra variar gostou de tudo e me surpreendeu pois ao fim do espetáculo dos cavalos, eles perguntaram quem da plateia gostaria de dar comida a um dos cavalos e Rodrigo quis. Eu incentivei e ele topou. Colocou um pedaço de cenoura na mão e deu na boca do cavalo! Por essa nem eu esperava mas fiquei orgulhosíssima! Colocarei fotos no fim da postagem.
 
Luisa entrou e saiu sem chorar nem choramingar nem um pouquinho! Olhou todos os bichos, tirou fotos e ficou mesmo muito bem. Isso pra mim é progresso. E Natália também não chorou no percurso normal do zoológico. Sentamos na primeira fileira pra assistir aos cavalos e pudemos ver de pertinho um leão rugindo e nem isso assustou ela. Ela deu uma choradinha breve durante o espetáculo do Indiana Jones, mas nesse vou confessar que até eu me assustei!
 
Fizeram uma mega produção reproduzindo o Indiana Jones e iam fazendo um teatro com MUITAS (muitas mesmo) cobras, uma maior que a outra, que soltaram no palco (e nós estávamos igualmente na frente, de cara) depois soltaram 5 crocodilos, de diversos tamanhos, um deles chegou até um pouco perto de mim, e no final levou um pequenino para a plateia passar a mão e a prima, que estava do lado dela quis passar a mão, então o bicho chegou mais perto dela do que o que ela gostaria, depois soltaram muitos ratinhos bem de pertinho e de sacanagem jogaram um na plateia, mas era pegadinha e era uma pelúcia (essa bendita pelúcia caiu perto da gente e nessa hora eu gritei. rsrs foi aí que ela chorou) e ainda teve aranhas e coisas assim, bem sinistras. rsrs Então ele teve motivo de se assustar. Tá perdoada.  
 
No final ocorreu tudo bem. Foi um passeio em família, para toda a família, ao ar livre, conhecendo novos animais, assistindo espetáculos belíssimos, enfim, como eu disse anteriormente: valorizo essa interação humano - natureza - animais. Acho que esses passeios marcam a infância e o aprendizado ficará pra sempre. Queria compartilhar com vocês e fazer esse comparativo do comportamento deles ao mesmo passeio em diferentes fases da infância e mostrar que eles vão amadurecendo e mudando a forma de ver e reagir. Para as mamães que tiveram experiências anteriores frustrantes, não se desanimem. Tentem novamente e quem sabe não terão uma surpresa! E no final e mais importante, se as mães encaram com naturalidade, eles igualmente o farão! Beijos mil e até a próxima! ;-)
 



 

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Dia das Mães

Bom dia amigas!
 
Como passaram o dia das mães? O meu foi excelente! Dia das mães é todo dia né? Mas nesse dia o fato de ser um dia voltado a isso, nos deixa nostálgica, nos faz voltar ao tempo e relembrar tudo que passamos desde a gravidez até o atual momento. Da alegria da noticia, da chegada do filho, das dificuldades e das coisas boas e no final chegamos sempre a conclusão de que tudo valeu, vale e valerá a pena. Pelo menos por aqui é assim.
 
Não faço questão do presente, apesar de o marido caprichar nessa parte também. rsrsrs Aqui ele me acostumou mal dando 1 presente por filho, então eu acabo fazendo a festa. Mas pra mim o mais legal mesmo é me sentir a rainha com um dia só meu. Ele prepara o café e as crianças fazem tudo por mim. Nesse dia das mães as crianças recitaram poesia que aprenderam na escola e me entregaram cartõezinhos feito por eles lindíssimos! Com esse ritual só podemos esperar mesmo que a data seja memorável. Eu gosto muito.
 
Parabéns para todas as mamães que lêem o blog: as mães de 1 filho, 2, 3 ou +, àquelas que estão esperando seu bebê, às que tratam seus pets como filhos, enfim, todas as mamães que tem um serzinho a quem se dedicam com amor incondicional e eterno.
 
Segue fotinha do meu dia tão especial.
 


 
 

terça-feira, 5 de maio de 2015

Visitas e Viagens

Olá minha gente,
 
Peço desculpas pela minha ausência, mas as coisas aqui têm sido uma loucura. Loucura boa, mas confuso. Começou a temporada de visitas por aqui e isso significa atividades mil para aproveitarmos as visitas e as visitas aproveitarem a viagem.
 
Bom, tivemos a Páscoa, quando fomos para Milão e turistamos muito. Chegamos no mesmo dia que minha sogra, sogro e tia avó das crianças. Eles por sua vez ficaram 21 dias aqui. Durante a semana enquanto as crianças estavam na escola, nós íamos a museus e coisas assim e nos fins de semana viajamos para pertinho para conhecer lugares novos com eles.
 
Eles foram embora e só deu tempo de lavar a roupa de cama e arrumar o quarto de hóspedes para receber a próxima remessa. Dois dias depois e recebemos o Vovô Adelson e a prima Fabiana. Estes, por sua vez, chegaram na véspera do feriadão de 1 de maio e aproveitamos pra conhecer um lugarzinho um pouco mais longe: Fomos todos para Bolonha e a farra foi estabelecida. Estou aqui com atividades 24h por dia por isso tô um pouquinho sumida. Não preciso dizer que as crianças estão amando né? É farra dia e noite, atenção extra todo tempo, passeios e inúmeros presentes. Porque cada um que chega lotam eles ainda mais com presentes e presentes. Assim fica difícil pra mamãe aqui explicar que a vida não é tão fácil. rsrsrs Bom, vamos agradecer a tudo isso. Aos parentes com saúde e disponibilidade de poder nos ver e também o fato de terem condição de mima-los. rsrsrs Faz parte.
 
Nessa confusão toda rotina é que não se consegue cumprir por aqui e com isso aquela proposta que fiz para eles de falar italiano até em casa para aprenderem mais é uma missão quase impossível. Com tanta gente vinda do Brasil aqui é até mesmo estranho implantar o italiano dentro de casa, mas eles estão evoluindo muito bem no meu ver.
 
Em momentos simples percebemos o quanto está sendo natural para eles o aprendizado. Nessa viagem em Bolonha, estávamos no carro e eles começaram a contar história, como sempre fizeram, mas dessa vez em italiano. Natália contou toda a história do Chapeuzinho Vermelho em italiano e me surpreendeu com a fluência. Rodrigo falou que era a vez dele mas que ele iria contar em portiguÊs pois ele nunca havia escutado os 3 porquinhos em italiano e seria difícil reproduzi-la nessa língua, mas não sei se foi sem querer ou se ele arriscou e viu que dava, ele contou toda a historia em italiano. Totalmente compreensível! Eu não estou conseguindo compartilhar vídeos aqui, senão colocaria pois eu filmei. Vou pedir ajuda pra aprender e assim que der coloco pra ilustrar.
 
Por ora é só. Ainda estamos com visitas e altos planos de passeios. Próxima novidade tentarei vir correndo o quanto antes para compartilhar! Beijos
 
 
 
 

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Atualizando

Bom dia meu povo! Estou tentando dar um pulinho aqui pra desejar Feliz Páscoa pra todos mesmo antes da páscoa chegar mas não consegui parar 1 minuto sequer. Viajamos na Páscoa e no mesmo dia que chegamos, chegou também pra nos visitar minha sogra, sogro e tia Di.

As novidades por aqui são essas mesmo. Páscoa, viagem com o trio a Milão e trio cercado de mimos com a avó que ficará por aqui 20 dias. Em Milão bancamos os turistas e fizemos tudo que tínhamos direito. Andamos tanto... E as crianças, mais uma vez, resistiram bem. Fomos surpreendidos com frente fria. Esfriou muito e choveu também, mas nada que atrapalhasse nosso passeio.

Agora com a avó aqui, a Itália ficou mais interessante para eles, mas estamos igualmente turistando por aqui para tentar mostrar a ela ao menos um pouquinho da nossa vidinha aqui. E também para que ela conheça um pouquinho da Itália. Isso ocupará um pouquinho mais do meu tempo e explica um pouco meu sumiço temporário no blog.

Ainda sobre a Páscoa: no domingo as crianças fizeram uma caça ao ovo no hotel para encontrar seus ovos escondidos pela mamãe. Se divertiram bastante.

Volto em breve e espero ter novidades.





segunda-feira, 23 de março de 2015

Dia dos Pais

Sim gente, não tô ficando maluca ainda, embora pareça.

Aqui na Itália quinta-feira passada, 19 de março foi o dia dos pais. Descobri que o dia dos pais não é universal e tem países que comemora abril, maio, junho, julho, agosto, setembro e se não me engano, até outubro. Estranho mas tudo bem, esse ano seguirei o dia dos pais daqui. As crianças não tem noção do tempo pra saber que pra nós era em agosto e aqui é agora, muito antes. Eles estão na escola e lá se fala nisso há dez dias, aprenderam uma linda poesia para recitar para os pais e hoje trouxeram cartões feitos por eles, então vamos festejar.

Saí e comprei os presentes como fiz sempre porém esse ano tive que inovar. Descobri que a escola não fazia uma festa para os pais como no Brasil, as crianças apenas trariam o cartão e a poesia escrita para a casa. O cartão está lindo e a poesia ilustrada com desenho feito por eles, mas não achei o bastante! Ah, fala sério! Eles decoraram a poesia lindamente que eu não poderia ignorar. Eu sou besta e nunca me esqueço do meu primeiro dia das mães da escolinha que chorei horrores, sou dessas que curte a emoção.

Portanto decidi fazer a apresentação aqui em casa. Cada um se apresentou separadamente, afinal de contas são três interpretações diferentes. A poesia era em italiano, o pai teria 3 chances para entender o texto melhor e sempre um esquece um pedacinho, que o outro completa. Porque nós mães de fato resolvemos tudo né?

Acho que no final ele vai querer uma festa particular assim sempre. Sem ter que socializar e com a atenção toda pra ele. Maravilha hein?
Não poderia deixar de compartilhar com vocês um pedacinho do momento: o beijo dos 3 no amado papá. ;-)

 
 
 
 
 
 


segunda-feira, 16 de março de 2015

Escola e Idioma

Olá minha gente,
 
Saudades? Eu também! Ou melhor, nós também! Rsrs
 
Então que o povinho aqui na escola estão indo de vento em popa. Fazendo novas amizades, contam todos os dias que fazem um amiguinho novo. No momento a Luisa é a mais popular, dizendo ela que conhece e já é amiga de todos. kkk Mas isso independe de Itália ou não, vai do jeito de cada um. A Luisa sempre foi mesmo a Miss Simpatia, ainda bebê coloquei esse apelido nela. Tem uma facilidade nata para se comunicar e se expressar. Extroversão é com ela mesmo. Juro que não sei a quem puxou! Rsrsrsrsrs
 
Natália apesar de ser a líder na parte de bagunça, ser extremamente atenciosa e carinhosa, ela se abre muito com seus amigos mas ela escolhe os amigos. Muito justo. E o menino já sabe, o amor da vida dele sou eu e pronto. O demais é desnecessário. Brincadeira gente, mas ele é de fato o mais seletivo e só se conhece mesmo o verdadeiro Didigo depois de muita intimidade. Mas pasmem! Já tem bastante amigos na escola. E os três chegam todo dia na escola recebido com festa: Rodrigo, Natália, Luisa! Todos gritam quando os vêem! Fico contente.
 
Na escola eles só almoçam e lembro que tinha gente curiosa sobre o que seria esse almoço. Vamos lá:
O almoço, um pouco carinho até, segue o ritual italiano: Primo piato, secondo piato, pane (pão todo dia, acompanhando a comida é regra) e sobremesa (fruta) ao final. No início era engraçado ver o relato dos três sobre a comida: Mãe, hoje almoçamos macarrão e a sobremesa foi carne e no final, quem comeu tudo ganhou um pão. kkkk
 
Eu expliquei como funciona a refeição daqui e pedi que eles experimentassem tudo antes de apenas dizer que não gostam. Então é assim: O primo piato é SEMPRE pasta: macarrão. Sendo que um dia é fusili, no outro espaguetti, no outro gnocci e por aí vai. Um dia com molho de tomate, no outro bolonhesa e da mesma forma segue adiante. Um dia ou outro, mas muito raramente, a pasta é substituída por um risoto. Nesse primeiro prato todos comem bem. O Rodrigo sempre repete, pra variar.
 
O secondo é uma proteína com uma salada então pode ser carne, peixe, ovo, frango e por aí vai. E a salada também varia: tomate e milho, espinafre, salada verde, coisa do tipo. Nessa parte eles comem a carne e deixam a salada. :( Tem dias que tem Purê, queijos diversos e alguns acompanhamentos assim e são igualmente bem recebidos.
 
E então vem o pão, que as meninas comem e o Rodrigo não e finalmente a fruta que em 1 mês e meio de escola foi sempre banana. Imagino que deva ser a fruta da estação, mas tô achando ótimo pois é a preferida deles.
 
Idioma: Eles já entendem tudo. Tudo mesmo. As pessoas na rua, a professora e até mesmo o desenho da tv perguntam coisas para eles e eles respondem: em português... Rodrigo que assistindo a tv, responde às perguntas que fazem nos desenhos em italiano. Mas na rua não dá bom dia nem boa tarde! Afff Mas aí volta àquela questão da personalidade de cada um e é sabido que o problema dele não é apenas o italiano, é o fato de por opção não querer socializar. Estamos trabalhando nisso diariamente.
 
Outro fator que ajudaria seria falar italiano em casa, mas tanto eu quanto Roberto estamos igualmente aprendendo e isso nos inibe também de falar e acabar ensinando errado. Porém eu decidi que vou falar o máximo que puder de italiano em casa e pedi o mesmo a eles. Ainda que misturássemos o italiano com o português quando não soubéssemos algo.
 
E como recompensa, prometi que se os 3 falassem em italiano o tempo todo em casa e na escola, ao fim de 1 mês, ganhariam um brinquedo. O negócio ficou divertido. kkk E aí se vê o quanto eles já sabem mas por vergonha não falam. Rodrigo inclusive é o que sabe mais. Formula frases inteiras no tempo correto e com algum nível de dificuldade que me surpreende a cada minuto, mas vai convencer ele de falar na rua...
 
A Natália é a mais engraçada, mesmo antes de eu pedir que eles falassem o italiano o tempo todo, ela já estava, mesmo sem perceber, misturando os 2 idiomas. Ela não fala mais aqui ou este. É sempre qui ou questo. E coisas assim que não me lembro agora. Acho que no frigir dos ovos, estamos muito bem na nossa empreitada. E como bons baianos assim vamos levando: devagar, sempre e sempre pra frente!!!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Adaptação na escola.


Então meu povo, a hora tão esperada! Tá parecendo último capítulo de novela da globo: Todos os espectadores estão ansiosos pra ver e na hora: não tem nada demais. Kkkk Não por culpa minha mas foi mais ou menos assim mesmo. A adaptação foi igualmente sem traumas e não deu muito pano pra manga não. Só o Rodrigo fez uma novelinha própria.
Eles começaram a escola em 26 de janeiro, durante a primeira semana, combinamos de deixá-los lá 1:30h para ver como responderiam. Então comecei levando eles 9h e ia busca-los 10:30. Chamei uma intérprete pra facilitar na comunicação e a mesma ficaria com eles 1h por dia, 3x na semana. Na primeira semana os três dias foram consecutivos e quinta e sexta ficaram sós.
De cara as meninas ficaram bem, como se nada tivesse acontecido de diferente, mas o Rodrigo relutou. Na verdade ele foi contente e saltitante (ele adora escola normalmente) porém quando deixei ele lá, deixei sob protesto e choro. A professora me mandou ir e falou que se virava... Tá bom, fui embora, coração na mão.
No segundo dia, a própria professora falou que eu podia deixar 2h, deixei 9 e fui pegar 11h. Rodrigo chorou ao se despedir, mas logo desistiu e entrou na sala, porém sem interagir com ninguém. Terceiro dia a professora então pediu que eu os buscasse 11:30 e assim fui ansiosa pelo relatório do dia que ela me passava sempre que eu chegava lá. Dessa vez Rodrigo não chorou hora nenhuma porém se recusou a fazer qualquer coisa com a turma. Eu deixei de ter pena. Juro, ele se transformava quando chegava lá e saía saltitante me dizendo que foi tudo bem, diferente do que a professora me relatava.
Na quinta e sexta, deixei 9 e fui pegar 11:30, dessa vez sem intérprete, mas o problema que estávamos enfrentando não era de línguas, era desconforto do Rodrigo, que não gostou, pois não é do jeito dele, socializar, numa turma nova, com crianças estranhas e professoras estranhas que falavam idiomas diferentes. Ele simplesmente não gosta de ser tirado da zona de conforto, mas as vezes é preciso. A professora sempre muito atenciosa, se comunicava com êxito com as meninas através de gestos e desenhos e as meninas participavam, como qualquer outro aluno, das atividades propostas.
Na sexta, decidi junto com a professora, que a partir de segunda deixaria eles para almoçar na escola, mas ainda assim não deixaria em horário integral. Iria busca-los 13:30, até porque caso não almoçassem, eu precisaria de tempo hábil de dar almoço em casa.
Na segunda fui busca-los ansiosa pelo relatório do dia... Cheguei lá e muito desapontamento. As meninas, pra variar, tudo ok. Inclusive no almoço. Rodrigo regrediu. Agiu pior do que no primeiro dia. Dessa vez com malcriação, coisa que eu não admito aqui em casa, desculpa aqueles que acham normal, mas pra mim não é não. Desconforto é uma coisa, ser menos sociável é outra coisa e ser mal educado é outra totalmente diferente. A tia me contou que ele chorou todo o dia, se jogou no chão e na hora do almoço se recusou a ir para o refeitório, correndo da sala quando a tia quis que ele fosse. E como não foi ao refeitório, não almoçou. Em fração de segundos raciocinei que ele já tinha parado de chorar, já estava melhorando e que hoje, eu esperava melhora e houve uma piora significativa¿ Pedi desculpas a tia pelo comportamento dele e não pude evitar o choro enquanto fazia isso. Desespero por não saber o desfecho e vergonha por essa atitude inesperada. Ela me tranquilizou dizendo que essa parte podia deixar com ela que ela tem paciência e tem três filhos e sabe como é.
Conversei com Roberto e já não sabia mais o que fazer. O Rodrigo estava sem tablete pois o dele havia quebrado e o pai resolveu prometer um novo caso ele entrasse na escola, sem chorar, participasse das atividades como os demais e almoçasse direito. Ele topou o desafio.
Eu não fui muito a favor, afinal as meninas se comportaram desde o início e não ganharam nada por isso e o menino que resolveu ser rebelde, imploramos para ele um bom comportamento e com isso ele ganharia um prêmio¿ Oi¿ tem algo errado aí, mas deixei o pai assumir. Mas exigi que as meninas ganhassem algo também.
Adivinhem o que aconteceu¿ Ele entrou, sem chorar e comeu tudo exemplarmente! Daí você vê que não era sofrimento, era desconforto sim, compreensível, e ele queria que todos soubessem disso. Era protesto. Ainda acho errado, mas viva, uma melhora. Ainda não interagiu com os demais, nem fez as atividades, mas foi indo. O resto da semana foi fazendo progressos devagar, dia após dia. Na sexta-feira, a própria professora deu um ultimato a ele: Lunedí tu lavora. (Segunda você trabalha) e ele sacudiu a cabeça concordando.
Começamos a terceira semana bem, Rodrigo de vento em popa nas atividades e já começa a fazer amizades. As meninas também. Só nos ficou um impasse: um assunto mal resolvido: a novela do grembiule. (avental)
Na escola eles usam um avental em cima da roupa, é o uniforme deles. O das meninas rosa e branco quadriculado e o dele azul e branco quadriculado. Ele não queria usar de jeito nenhum. Já estava íntimo da escola mas quando falávamos de colocar o avental, ele chorava. E pra não desandar, a gente tirava, pra não piorar. Segundo as irmãs, ele achava que avental era vestido e coisa de mulherzinha. Depois ele disse que o dele estava grande, ridículo, eu procurei um menor, não achei e então fiz a bainha e deixei no tamanho ideal.
Na quarta semana, disse que ele deveria usar. Falei a ele que o acordo do pai era de participar de tudo que dizia respeito à escola, que aquilo era uniforme e que portanto ele deveria usar. Mostrei que fui dormir tarde fazendo a bainha e que então ele não tinha mais motivo de não usar. No dia seguinte que fomos colocar, ele deu um show. Deixei ele lá dando chilique, mas a professora tirou. Quando eu fui buscar vi que ele estava sem.
Tive uma conversa séria com ele e dessa vez ele me viu chorando. Acho que com piedade de mim e também por interesse no prêmio final, o tablete, ele usou no dia seguinte e foi assim até o fim da quarta semana. Hoje é segunda, começo da quinta semana e o avental já não é mais um problema. Ou seja: acabou a novela e todos foram felizes para sempre! 
P.S.: Ele ganhou o bendito tablet sábado passado e as meninas ganharam juntas a casa da Pepa!
P.S.2: Desde a segunda semana eles estão sem a intérprete. Ela não pôde mais ir e entendemos que o problema  não era comunicação. Recentemente a contratei para aula particular em casa pra eles. Ela virá segundas e quartas 1h por dia. Já tiveram duas aulas. A compreensão do italiano está ótima. Mas falar ainda só uma ou duas palavras soltas.
 
Ufa, espero que continuemos assim.