segunda-feira, 16 de maio de 2011

Berçário

Tema polêmico, na verdade um tema que varia de acordo com a necessidade de cada mãe e não necessariamente possui uma regra. As realidades são diversas, eu até já falei algo parecido aqui abordando o tema mãe voltando ao trabalho. Umas não tem opção mesmo. Tem aqueles 4 meses com sacrifício e precisam retornar ao trabalho. Outras podem deixar de trabalhar e dedicam tempo indeterminado para os cuidados da prole, enfim, a realidade é bastante diferente para cada mãe e não quero aqui que a minha verdade seja exemplo a ser seguido.


Apenas por ser um tema interessante e muitas mães se encontrarem em posição parecidas com a minha, não deixa de ser importante abordar e discutir. Para os que não sabem, eu voltei a trabalhar quando meu trio completou 6 meses. Cheguei a sustentar esse retorno por 3 meses e era bastante viável. Sempre tive duas babás, que são muito cuidadosas e carinhosas com os três e eu confiava plenamente. Porém esses três meses foram bastante cansativos, ru chegava em casa sempre atrasada e uma das babás que deveria sair às 20, acabava extrapolando e saindo 20:30.

Ela nunca reclamou, mas além disso muitas vezes eu chegava morta de fome, apertada pra ir ao banheiro e os três ao me ver entravam numa euforia que se eu não fosse imediatamente atendê-los era um berreiro só.

Enfim, essa rotina me cansou muito, eu chegava 20:30, ia trocar eles, dar a última mamadeira, colocar pra dormir e lá para as 22h é que eu parava pra comer algo, tomar banho, etc. Exaustão. Eu trabalhava longe de casa e pegava um engarrafamente absurdo e chegava sempre mau humorada e sem energia. Quase que não falava com o marido direito. Malmente balbuciava um boa noite. Resumo: o que eu estava ganhando financeiramente naquele momento não estava compensando as perdas da qualidade de vida, da paz, da harmonia com o marido e mesmo do desenvolvimento das crianças. Gastava um horror de gasolina e o que sobrava era pouco demais pra justificar tamanho desgaste. Por essas e outra e em comum acordo com o marido, decidi parar até arranjar algo melhor, mais perto ou até as crianças irem para a escola...


Não tinha idéia ainda de quando seria esse momento de ir pra escola. Imaginava eu que seria por volta dos 2 anos. As crianças estavam em casa, ambiente confortável e familiar, com duas pessoas atnciosas cuidando e a mãe supervisionando. Pra que melhor? Isso eu achava, mas meu ponto de vista já começou a mudar. (Paciência que eu vou explicar)

Meu marido foi pra escola com 5 anos, até então ficava com a avó e estava muito bem atendido. Ia pra escola já próximo ao momento da alfabetização. Errado? Não, foi a necessidade dele. Eu, por outro lado, mãe e pais novos, trabalhando o dia inteiro, antes dos dois anos já estava na escolinha. Naquele tempo, na Bahia, era conhecido como maternalzinho. Errado? Não. Apenas Realidades diferentes.

Eu planejava colocar as crianças na escolinha com 2 anos. Como eles nasceram em setembro, fiz planos de colocar em 2012, pegaria o início do ano letivo e estariam com 2 anos e 5 meses aproximadamente. Daí eu ficaria apenas com uma empregada e voltaria ao batente. Pois por mais prazeirozo que possa ser a maternidade, a mulher, ao menos eu, preciso me sentir útil, ter o meu próprio dinheiro nem que seja pra gastar com salão e chocolate mas meu, sem me preocupar em prestar contas. (apesar de meu marido nunca ter restringido meus gastos e nem nunca ter questionado o que faço com o dinheiro, mas eu sou assim. Sempre trabalhei e preciso disso).

Hoje, por motivos diversos, comecei a repensar estes planos e acho que hoje, eu e as crianças seríamos melhor atendidas se elas estivessem na escola. Comecei minha busca à procura de berçários, conhecendo a proposta, valor do investimento, horários. Discutindo com o marido as mudanças que decorreriam dessa decisão e pesando os pós e os contras. Ambos concordamos que a escola é a solução.

Desde sempre montei minha casa voltada para as crianças, aparentemente não falta nada: é pula-pula, piscina de bolinha, toca, mesa interativa, mesa para desenhos, brinquedos mil e por aí vai. Agora além de tudo isso passamos maior parte do dia com eles na área comum do condomínio com seus carrinhos, velotrol, bola, o que quiserem e ainda assim em certos momentos eles ainda ficam entediados, brigam, puxam os cabelos uns dos outros, enfim, parece que a energia ainda não foi bem aproveitada, sei lá. Eles estão na fase de um misto de curiosidade, energia, descobertas, realizações e tal, a gente percebe que eles não querem apenas correr. Dessa forma eles gastam energia física mas a mente está à mil por hora, tendo mil idéias para aprontar. Na verdade percebi que precisamos dividir e direcionar as energias. Trabalhar o intelecto, dar a eles respostas.

Sempre agradeci a minhas ajudantes por serem tão atenciosas e cuidadosas com eles, mas no momento preciso um pouco mais do que cuidadoras: chegou a hora de dar a vez a educadoras. Por serem três, eu particularmente estou tendo dificuldades de ensinar, educar. Eles sabem o que é certo e o que é errado quando eu falo, sabem porque eu brigo e chamo atenção. Mas eles vivem num mundo de disputa e por atenção vale tudo: principalmente desobedecer.

Quando estou a sós com um é extremamente diferente do que quando estou com os três. Um só fica calmo, obedece, fala baixo, brinca sozinho, come direito, quando junta os três aí é um querendo aparecer mais que o outro e por mais calmos que eles sejam, a bagunça é estabelecida. Eles são crianças, ora essa. Está na essência serem ativos e explorar. Graças a Deus que assim são, mas então vamos dar a eles o que precisam.

Minha maior questão era que eu queria dar o melhor a eles e até então achei que em casa era o melhor, mas conhecendo as novas escolas, acho que eles vão desenvolver outras habilidades, suprir algumas necessidades e brincar ainda mais à vontade. Gente, eu estou boba com as áreas e as atividades oferecidas pelos berçários hoje em dia. Quanta mudança e evolução!

É aula de musicalidade, psicomotricidade, arte, informática (como eu não sei, mas assim que souber virei compartilhar), natação, inglês (imagina os trocinhos que mal arranham o português já querendo falar inglês), tem até orientação de trânsito! Kkk Os refeitórios são mini restaurantes com mais de uma opção de cardápio elaborado por nutricionista para garantir a qualidade e edução alimentar da gurizada. Além de ter pediatra duas vezes por semana e enfermeira enquanto houver aula... Não preciso nem falar da parte recreacional né¿ Um parque de diversões perde para o mundo encantado que eles montaram nas escolas de hoje em dia.

Para as mamães que precisam, eles oferecem horários flexíveis, a partir das 7 da manhã até 20h. O valores e atividades vão variar de acordo com o horário pretendido. Para começar, eu que ainda não estou trabalhando, vou iniciá-los com o período de 4 horas. Apenas para fins de socialização com outras crianças, para exercitar um pouquinho dos neurônios com aulinhas de inglês, artes e música, etc e também para irem se desprendendo do lar sem muitos traumas. Assim, quando eu conseguir arranjar um novo emprego, posso aumentar a carga horária da escolinha, retornar ao trabalho e estar tranquila de que estarão bem e adaptados.

Já bati perna, visitei 5 creches-escola e estou por decidir em qual colocar. Com isso, irei dispensar uma das ajudantes, que teria de ir embora mesmo, afinal elas estão aqui no Rio mesmo temporariamente até eu me organizar. Ficará apenas uma que cuidará deles junto comigo até eles irem pra escola e enquanto eles lá estiverem, ela cuida dos afazeres domésticos enquanto eu corro atrás de emprego e cuido pra abastecer a casa, fazer comida e talz. Estou pesquisando e negociando descontos. Mãe de três é assim, tem que ser boa administradora e negociadora. kkk

8 comentários:

marcia disse...

Oi pense bem antes de dispensar as babás e transformar uma em empregada doméstica (acumular funções), pergunte pra quem ja passou por isso. Elas, geralmente, não gostam. As crianças até uma fase tem as famosas viroses, principalmente se frequentam escolas, aí vc vai precisar delas, porque criança doente não dá pra ir a escola, e tem tb os feriados prolongados e as férias que as escolas não funcionam. Boa sorte.

Ana Luisa disse...

Oi amiga, passei por aqui para ler as novidades e escrever para vc!
Não sabia que estava com planos de colocar as crianças este ano num berçário.
Como sei a grande mãe que é, tenho certeza que já pensou em tudo e deve ser mesmo a melhor opção para eles.
Fico imaginando os 3 indo para o berçário... nasceram ontem quase, meu deus, como passa rápido né? rs
Vou te ligar essa semana para conversarmos direitinho.
Beijo grandão, saudades de todos.

Uli disse...

Que legal amiga! Te entendo perfeitamente. Aqui eu sempre falei que colocaria o trio com 3 anos e assim vou fazer em janeiro próximo. Sinto que tudo o que eu poderia oferecer em casa eu já ofereci... Foi tudo cronometrado e até aqui vem dando certo. Pesquisei muito e me envolvi muito tbm, pois queria oferecer algo próximo ao que eles teriam na creche. Dividir brinquedos, cantinho da reflexão, pedir desculpas, comer sozinho, calçar sandália, guardar suas próprias coisas, dançar, cuidar de plantinha e agora de bichinho...rsrsrs Até a musicalização eu integrei e deu mega certo. Hoje eles tocam gaita, flautas, guitarra, chucalho, tambor... o Daniel até simula uma bateria...rsrsrs Mas estou com uma leve sensação de missão cumprida, sabe? sinto que agarrei na fala...as vezes eu acho que desse mato não vai sair cachorro e a escola será perfeita pra isso! Já bati um papo com uma amiga fono e até peguei umas técnicas, mas nada como o convívio com outras crianças pra isso, né? E sem contar que com 3 anos já está mais que na hora...ops quase que passando! Mentira, se eles estivessem falando bem, acho que ficaria com eles em casa até os 4..hahaha

Trimãe Paola disse...

Pois e Uli. Aqui eles passam Bem mas minha organização não foi suficiente pra implementar alguns conceitos de educação entre outros que Vc mesmo citou. Agora fica mais difícil cobrar pois já se acostumaram com a liberdade extrema. As daqui deixam eles fazerem o que querem e aí eu viro a chata e não consigo a atenção e concentração deles pra estabelecer nenhum aprendizado e ordem é importante ter de cedo. Limites também. Mas já decidi que este ano serão apenas 4 Horas por dia e começam em agosto. Com 2 anos quase. Daí a parte da farra é comigo. Se tá dando certo aí, ótimo. Você sem dúvidas nasceu pra procriar e criar. E seus filhos colaboram bastante né? Cada uma do seu jjeito e no fim da td certo. O importante é o Bem estar Deles! Beijao

T@ti disse...

Poca, bom, minha opinião de leiga hein haha, eu acho que vc esta super certa. Acho que creche é importante, e ajuda bastante, vejo pela Diana ne que acompanhei bem de pertinho.
Ela adorava a creche, fazia a gente levar até quando tava a maior chuva e quando estava doente ficava triste por não ir.
Além de tudo eles cansam bastante la, geralmente voltam com as baterias fracas e calmos hehe
E vc vai ter mais tempo pra vc, pra casa, pro marido, pros cachorros hehehe e também pra um trabalho, que sei que gosta demais.
Boa sorte, sei que vai dar tudo certo!
Beijos!!!

Fabi Multifuncional disse...

Paola, meu filho foi pra creche com 5 meses e 1/2 pq eu voetei a trabalhar qdo ele tinha 6 meses e fiz a adaptação dele aos poucos (fiquei indo junto, até ele acostumar). Não me arrependo! Estou grávida de novo e o próximo tb irá. Não posso sair do emprego pq sou concursada e com um bom salário. Ele desenvolveu muito, ama a creche, os amiguinhos, as tias, a estrutura q lá é oferecida. Ao contrário do q muitos reclamam, ele só adoeceu de gripar 2x (já tem 1a e 3m) e teve uma virose na vida. Eu e a pediatra achamos o saldo bem positivo (ele adoece bem menos do q outras crianças q convivo q ficam apenas em casa...) Dei todas as vacinas (públicas e particulares, vit C e no início um remédio natural q aumenta a imunidade)
Como lá tem rotina bem definida, ele obedece direitinho e se alimenta super bem!
Enfim, já deu pra perceber q sou do time das q defendem a creche, né?
Espero q seu trio se adapte super bem!
Bjs, Fabi (amiga da Rê, de SSA)

Trimãe Paola disse...

Obrigada Fabi, por isso quis compartilhar com vocês, ouvir diversas opiniões ajuda a decidir e ver estas histórias bem sucedidas só me tranquiliza. Os meus em casa griparam 3 ou 4 vezes + 1 virose em 1 ano e 7 meses. Na na média também. É assim mesmo.

Obrigada pela participação, beijão.

Anônimo disse...

Paola, eu não sei acho que ficaria em casa um pouco mais com eles, principalmente com essa má novidade que é a rinite conjugada com o clima do Rio de Janeiro nesta época do ano. Fico pensando como vai fazer com apenas uma empregada e começar a trabalhar, se uma delas fica dodoi, o que é muito mais fácil nas condições acima citadas. Por melhor qu o berçario seja, qualquer pequena desvio de saúde o aconselhament da escola é ficar em casa. parece decidiada, então boa sorte, ficarei torcendo por vc.