terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

ESCOLA

Uma das resoluções mais importantes desse processo de mudança foi a escola das crianças. Roberto veio com muito pouca antecedência e só conseguiu adiantar o aluguel da casa, que já foi muita coisa. A escola era a coisa mais importante a se resolver e estava totalmente no escuro. Porém, de todas as coisas que estamos resolvendo por aqui, acabou sendo a mais fácil. Correção: mais fácil no quesito inscrição coisa e tal, mas adaptação são outros quinhentos... rsrs
Para tudo aqui é uma burocracia sem limites. Não se pode fazer nada se não for cidadão italiano ou se não tiver a permissão para estrangeiro morar aqui de longa data. Não dá pra contar aqui todos os perrengues que passamos aqui por causa de burocracia, mas vou mencionar rapidamente 2 situações para ilustrar: Eu fui durante uma semana, 7 dias seguidos para conseguir comprar um chip pré pago de telefone aqui. Sem brincadeira, um chip “RICARICABLE” daqueles que você só usa se recarregar, tinha que ser cidadão também. Mas com 4 dias, cada dia levando um documento diferente, inclusive contracheque de Roberto, passaporte português, de cidadão Europeu pra ver se facilitava, o diabo a quatro, consegui um chip recarregável, SÓ DE INTERNET. Mas agora já tenho plano ilimitado! Uhu! Fiquei importante! E a outra coisa: Após escolher meu carro, negociar, fui no banco, eles emitiram um cheque administrativo em nome da concessionaria que tava me vendendo, enfim, melhor impossível, eles disseram que não podiam vender porque precisávamos de um comprovante de residência “oficial”, sim porque eu já tinha apresentado contrato de aluguel registrado, conta de água em nome de Roberto e requerimento do atestado de residência perante a comuna que moramos, mas nada disso serviu. O requerimento do atestado de residência dá a eles 45 dias para virem aqui confirmar que eu moro aqui e só então eles emitem o atestado. Nós já fizemos um mês com carro alugado, tá bom né¿ Falando a respeito disso com a interprete das crianças, descobri que os pais dela trabalham na comuna e vão ajudar a agilizar essa tal visita e emitir logo o atestado. Ufa!
Então voltando ao assunto principal, no dia que fui me informar sobre a escola, fui sozinha pois Roberto não podia faltar trabalho, tinha que me virar no italiano mesmo estando aqui há aproximadamente 10 dias, mas fui. O ano letivo aqui começa em setembro. Então segunda quinzena de janeiro (quando eu fui) haviam aberto as inscrições para o ano letivo de 2015, que começará em setembro. Mas eu fui, saber como era, o que era preciso, fazer a matricula de 2015 e se desse, encaixá-los já na escola.
A gente se dirige a uma escola central do bairro e lá eles efetivam a matricula e direcionam para a escola para a faixa etária do seu filho, mais perto da sua residência. É escola pública, mas de qualidade. Cheguei, fui encaminhada à secretaria, logo fui recebida não só pela secretária, mas também pela diretora e após me apresentar, estava cercada por uma dúzia de mulheres bastantes solícitas e todas querendo me ajudar. Nenhuma burocracia nesse aspecto, apenas preenchi 1 dúzia de formulários, normal para quem tem 3 filhos, fiz a inscrição para setembro de 2015 normalmente e nem precisei pedir favores e elas mesmo perguntaram se eu queria que eles começassem apenas em setembro ou se já queria que iniciassem já. Respondi que já e então preenchi mais uma dúzia de papel, para inscrição referente ao ano de 2014, que é o que está em curso.             
A diretora, após vê-los e tentar se comunicar com eles sem Êxito, ficou preocupada pois eles não falam nada do italiano e as professoras nada de português. Então ela sugeriu que tivéssemos uma interprete e se eu topasse, que ela iria providenciar uma e eu custeava, assim, facilitaria a ambientação deles no começo e eu, que quero o melhor pra eles, respondi: Va Bene. Rsrs
Dali fui direto conhecer a escola que eles iriam estudar e fiquei no aguardo do contato da diretora que ficou de me ligar quando encontrasse uma interprete e então após isso, começaríamos imediatamente. Uma semana depois fui convidada a ir na secretaria, onde fui apresentada à intérprete e combinamos de começar na segunda-feira seguinte, dia 26.01.15. Eles vão frequentar a turma de 5 anos, mas a diretora os colocou nesse período inicial de adaptação na turma de 4 anos pois era menor, a turma tem uma professora, a escola disponibilizou uma professora da escola só pra ficar com eles nesse processo, além da intérprete que eu acertei 1h por dia, 3x na semana.
No começo entravam 9:30 e saiam 11:30 e assim foi na primeira semana. E conforme estivessem mais à vontade, aumentaríamos a carga horária. Como já prevíamos na semana seguinte ampliar a carga horária, retornei na secretaria novamente para inscrevê-los para almoçarem na escola. Assim, eles a partir da segunda-feira dia 02.02.15 fariam a refeição na escola e aí eu recebo um boleto em casa com o valor do almoço. Nada mais justo. Próximo post: ADAPTAÇÃO.

3 comentários:

Nanda Scandura disse...

Como vai ser esse negócio do almoço na escola se lá não tem feijão, arroz, carne moída e purê de batata? rsrs

Érika Scandura disse...

Nat me contou hoje que comeu macarrão! Rs! A escola deve ser maravilhosa, vão adorar :) Aguardo novas notícias , Bjs

Trimãe Paola disse...

Próximo post Fernanda. Tenha fé. Ontem elas vieram me contar que comeram macarrão e de sobremesa purê e ovo e pão. E no outro dia disseram q comeram macarrão e de sobremesa carne, pão e banana. Eu me acabei de rir e expliquei como funciona aqui. Que carne não e sobremesa de ninguém. Que aqui tem o primo piato, secondo piato e a sobremesa. Kkkk