quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Iniciando Escolinha Parte II

Agora que todos já sabem que iniciamos a escolinha, imagino que estejam curiosos para saber qual foi a reação de cada um. A gente fica imaginando montes de coisa e acaba sempre sendo surpreendidos.

Acreditamos que pelo fato de serem três, eles sentiriam menos pois teriam a companhia um do outro, etc etc. Eu mesma pensei: as meninas vão tirar de letra, Rodrigo vai fechar o tempo pois ele é muito dengoso e apegado a nós. TUDO ERRADO!

Bom, em casa tudo foi uma diversão, vestir aquelas roupas diferentes do usual e igual uma do outro. Eles amaram! Foram no carro cantando como sempre e eu explicando o que estava por vir. No momento todos pareceram prestar atenção, mas na hora H esqueceram tudo e...



A "tia" veio nos receber na porta e os três já olharam desconfiados. Os coleguinhas estavam no parquinho fazendo entrosamento e eu acompanhei os três até o parquinho e expliquei que era pra eles brincarem com a tia e os amiguinhos que a mamãe estaria sentadinha na sala esperando para que voltássemos pra casa. Dei as costas. Rodrigo imediatamente entrou no parque, escolheu um carrinho e por lá ficou, a Luisa também se entreteu por um momento, mas Natália armou um barraco!!



Chorou tanto de soluçar e as tias levaram ela ao meu encontro pra se acalmar. Ela parava, eu explicava, afirmava que estaria ali, mas ela nada. Dali a pouco Luisa abriu o berreiro e foi também levada ao meu encontro, porém Luisa, que sempre demonstrou um amadurecimento e uma compreensão um pouco além da idade dela, sentou no meu colo, escutou o que eu disse "Você vai ficar com a tia, vai brincar com os amiguinhos, depois vai lanchar e então vamos embora. Mamãe vai ficar aqui o tempo todo, tá?" e ela consentiu com um "tá". E voltou pra brincar. Rodrigo ficou bem e só lembrou que tinha mãe quando a tia parou a brincadeira e o levou pra trocar fralda. Aí ele não quis mais voltar pra sala e abriu o berreiro. Lá estava eu com dois. A Luisa, que também não é de ferro, ao se ver sozinha, perguntou pelos irmãos e começou a chorar. Com os três chorando e emcima de mim, perguntei se deveria ir embora pois já estava quase na hora, mas aí a tia consentiu que eu participasse do lanche junto com eles para que eles udessem participar desse momento também e lá fomos nós pro lanche e depois casa.



Confesso que fiquei desapontada. Não com eles, claro, mas com a situação que eu não fazia idéia que seria tão difícil. E Natália? Parecia uma missão impossível convencer ela a ficar 'naquele lugar' com 'aquelas pessoas'. Natália é muito esperta e geniosa. Quando ela não quer, ela não é facilmente enrolada. Fiquei com medo do dia seguinte.



O segundo dia, a mesma animação para vestir o uniforme, o que julguei positivo pois ele já sabiam o que significava. No carro preguei o mesmo discurso, expliquei o que viria pela frente e as respostas foram a seguinte: Luisa --- "tá", Rodrigo --- "aêe" (e levantou os dois bracinhos em comemoração) e Natália muda estava, muda ficou.



Fizemos da mesma forma que no primeiro dia e Rodrigo já foi para o parque como se não precisasse mais ser apresentado. Era "da casa". Luisa ficou e Natália nada. Deixei ela lá chorando mesmo e tive de sair. As tias tentaram de tudo, mas sem êxito, a levaram ao meu encontro. Meu Deus, Natália não vai ficar. E agora? pensei eu aflita. Pior é que Luisa em solidariedade a Natália vinha chorando nos procurar. Eu conversava, Luisa entendia, me dava tchau e saia, mas ao ver que Natália não ia, ficava no portãozinho esperando. E a tia também esperava. Aí eu falei pra tia: aproveita que a Luisa quer ir e leva, Deixa Natália aqui mais um pouco, pelo menos é um problema, não poderíamos deixá-la influenciar a Luisa, senão seriam dois problemas.



Fiquei a sós com Naty e comecei os discursos e promessas. Até que, sem pressão e sem nenhuma tia esperando por ela, a convenci de ir sozinha procurar o irmão dela e ver o que ele tava fazendo. Falei empolgada: "Vai lá e depois volta pra me contar". Ela saiu pela porta desconfiada e bem devagarzinho. Eu não fui atrás pra não forçar a barra e nem fazê-la desistir. Demorou uns 15 minutos e nada dela voltar. Eu sabia que com certeza ela estava com alguma tia, pois não tinha muito para onde ela se perder e todos já conheciam eles e a conduziria para o lugar certo, mas por via das dúvidas, chamei uma funcionária da escola que estava perto e pedi que olhasse por mim onde ela estava pois se eu fosse colocaria tudo a perder. Ela, que nem é da turma nos meus filhos, falou rapidamente: É uma dos trigêmeos? Estão os três juntos com a tia brincando no "areial". Graças a Deus. Alívio.



Ficaram lá por uma hora. Me deu até vontade de ir no banheiro, mas nem fui pois tava no caminho e não queria ser vista. Esperei para quando eles saissem para o lanche. Aí foi quando as meninas lembraram ter mãe. Ao ter que sair do areial para o refeitório, elas choraram me procurando, mas me viram, tivemos uma nova conversa e elas foram lanchar sozinhos dessa vez. Ufa!



Graça foi na volta do lanche, que a tia arruma uma filinha para voltarem para a sala de aula organizadamente e vieram os alunos na fila e o Rodrigo no meio. Passou por mim, me viu, mas não saiu da fila, entrou na sala e sentou na cadeirinha. Um homenzinho. Que orgulho! Depois vieram as outras duas, não chorando, mas também não na fila, vieram dispersas com as outras tias como se quisessem mesmo mostrar que estavam ali a contragosto. Quem aguenta?



O segundo dia não preciso nem dizer que foi melhor que o primeiro. Rodrigo já está ambientado. Luisa é uma questão de tempo, mas se chorar também é pouco e ela é facilmente entretida. Natália ainda não está convencida nem satisfeita, mas já está se permitindo brincar com as tias e de pouquinho em pouquinho acho que vai dar certo.



Eles estão dormindo para o terceiro dia. Torçam pos nós!!! Beijos mamães queridas.



P.S.: Não coloquei fotos da escolinha pois já estamos bastante expostos no blog, mas colocar a foto do uniforme vai além da exposição e já oferece um risco, afinal todos sabem os nomes dos três e o horário que estudam. Não precisam saber ONDE né? Para os amigos, mando quando der por email ou vocês vêem pessoalmente aqui em casa revelada! ;-)

5 comentários:

Uli disse...

Que legal Paolita!!!! Com certeza é questão de tempo. Eu tbm não tenho a menor noção de como será...na minha igreja todas as atividades com as crianças durante o culto é para crianças acima de 3 anos, então eles ainda não participam. Eles ficam na área baby comigo ou com o meu marido e já precisei me ausentar rápido e não tive problema nenhum, eles ficaram amarradões com as outras crianças e os pais delas. Mas no domingo agora fui na igreja da minha mãe e na hora do cultinho kids (que é acima de 2 anos) precisei ficar junto pq o Daniel não queria ficar de jeito nenhum. depois tive a sensação que se eu saísse eles ficariam, mas não quis arriscar.
Enfim, ano que vem serei eu...hahaha bjs!

Ana Luisa disse...

Oi amiga, consegui imaginar cada detalhe das cenas na escolinha. Minha afilhada ser geniosa e nem um pouco facilmente convencida não é novidade... rs, mas me surpreendi tb, achei que ela tiraria de letra! Lembro que aqui ela era a única que sempre se jogava para ir ao “paqui” comigo. Tenho certeza que essa adaptação durará pouco tempo. Espertíssima como ela é, em breve estará comandando geral na creche! hauhauaa
Fiquei feliz por Didigo estar um homenzinho super ambientado e Luluca uma moça, como sempre. Ai que vontade de levar eles um dia na escola, qdo já estiverem super tranqüilos, claro! kkkk
Entendi esse momento de mudanças. Muitas novidades, horários, babás voltando... fique tranquila! Tenho certeza que você vai dar conta de tudo, como sempre deu, e ainda manterá seu bom humor e astral de sempre. Um beijo enorme super mãe e amiga :*

Anônimo disse...

É melhor poupá-los dessa exposição, a gente nunca sabe o que esta acontecendo por ai. Mas estou esperando a foto dos tres devidamente uniformizados, já que isso é quase um fatto raro, já que vc nunca foi de vestilos iguiszinhos. Beijocas

T@ti disse...

O meu Deus, que lindos!!!!
Ih, vai ser rapidinho vc vai ver, depois vão querer ir até se tiver nevando ou passando tufão! hahaha
E didigo vestido de capoeirista haha que sarro, orgulho de ser bahiano mesmo haha, e as meninas de bailarinas ai meu deus que lindooooo
Nada melhor que a escolinha mesmo hehe
Beijos amiga e espero mais novidades! To torcendo e com certeza vão ser ótimas!!!

Renata disse...

escola com certeza é o maior dos desenvolvimentos da criança.

Ver Pietra cantando diversas musiquinhas da escola me deixa tão feliz! Vai ter tantas experiências novas e maravilhosas Paolinha!!!!

verá!

que pena n colocar fotos, quero ver..se puder me manda tá?

esse trio deve ser um sucesso por aí!!!!

beijos na família toda!